Pular para o conteúdo principal

“Até as princesas soltam pum”

“Até as princesas soltam pum”
O título deste artigo é também o título do livro de Ilan Branmen, contador de histórias, doutorando em educação e apaixonado pela literatura infanto-juvenil, escritor, palestrante e alguém que redescobriu a arte de ser interessante contando histórias.

A primeira vista, o nome dado ao livro que está no topo da lista dos mais vendidos há quarenta dias não parece ser apropriado, mas é aí que a magia tem o seu começo.

Ilan percebeu que criança é um ser diferente, ilimitado e cheio de emoções e imaginação, por isso bem diferentes dos “adultos” e “maduros”.

Precisamos repensar a forma de lidarmos com nossas crianças dentro das igrejas, na mensagem do culto, nas classes de EBD e no trato com nossos pimpolhos.

Existem lindas e honrosas exceções, mas convenhamos, geralmente temos dado shows de chatice e tédio para o público dos pequeninos. Querem saber? Precisamos entrar no mundo deles e por esse caminho trazê-los para o que queremos ensiná-los.

Tenho visto crianças de terno ou vestidas com túnicas que francamente mais as expõem ao ridículo que as motivam a servir ao Senhor Jesus.

Ilan Branmen faz sucesso pelo fato de considerar o mundo das crianças e ter capacidade de entrar nele.

Eu quero isso pra mim também. Quero poder interagir com as crianças nos cultos em que ministro e quando me relaciono com elas no dia-a-dia.

Não quero ser um alienígena chato e sem graça que precisa ser suportado pelos meninos e meninas da igreja. Quero despertar neles boas gargalhadas e ter a certeza de que eles ficam a vontade e que podem até se precisar “soltar pum!”.

Quero que elas sejam gente e que isso fique muito claro pra elas.

Quero minhas crianças sendo crianças em toda a sua plenitude e se elas conseguirem isso eu já estarei satisfeito.

Quero que elas venham a Jesus e façam isso sendo o que Ele disse que elas deveriam ser: CRIANÇAS E PEQUENINOS.

Você já sabe o que fazer!

Pense nisso e seja feliz

Postagens mais visitadas deste blog

Casais evangélicos traem mais que os do mundo!

Diante das mais recentes pesquisas científicas realizadas no meio evangélico, surge o alerta para começarmos a tratar os casamentos de uma forma mais cuidadosa e responsável. A infidelidade matrimonial entre evangélicos é maior que as dos não evangélicos! Segundo o BEPEC – Bureau de Pesquisa e Estatística Cristã - em parceria tecnológicacom aAKNA(www.akna.com.br,) fornecedora de uma das melhores plataformas de pesquisa online do mundo, 11,26% das mulheres evangélicas pesquisadas já traíram seus cônjuges. Na faixa dos homens, 24,68% traíram suas esposas. O Ministério da Saúde apresentou em 2009 a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. 8mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos foram feitas e a pesquisa apurou que 21% dos homens em relações estáveis vivendo com conjugue mantém relações sexuais esporádicas ou contínuas com outros parceiros. 11% das mulheres, na mesma situação! Precisamos acordar para essa realidade infeliz e dar um &…

A vida de extravagâncias da irmã Dulce

Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. Este era o nome de batismo da Irmã Dulce.
Transformou sua casa em centro de atendimento a necessitados.
Foi ordenada freira e recebeu o nome de Dulce em homenagem a sua mãe. Mesmo tendo como missão primeira o exercício de ensinar como professora em Salvador - BA, irmã Dulce trilhou o caminho do amor e da solidariedade dando assistência às comunidades carentes, preconizando assim suas atividades principais em suas obras sociais. Em 1936, ela fundou a União Operária São Francisco. Chegou a invadir cinco casas na Ilha dos Ratos para abrigar pessoas doentes, recolhidas nas ruas. Naturalmente, como era de se esperar, irmã Dulce foi expulsa com seus flagelados e deu início a uma peregrinação de 10 anos, ocupando temporariamente diversos lugares até que com muito trabalho e perseverança, conseguiu transformar um galinheiro do Convento de Santo Antônio em albergue, que mais tarde passou a ser o Hospital de Santo Antônio, um centro de atendimento social e e…

COMPRE AQUI O LIVRO O Próximo Passo.