Pular para o conteúdo principal

Meu maior erro no pastorado...


"O que faz a SERASA andar? Gente! Se a pessoa cresce, se desenvolve, gera um benefício em volta". Elcio de Lucca
Durante um bom tempo do meu ministério procurei fazer com que as pessoas se comprometessem com as coisas.
Pensava eu que meu foco deveria ser o prédio, o som, as cadeiras e em tudo o que chamamos de igreja.
Minha inexperiência provocava em mim um brutal equívoco em minhas prioridades.
Trabalhei muito construindo um templo e cheguei a passar fome morando nos fundos da obra sem ninguém saber disso. Expus muito minha família ao desnecessário.
Eu colocava o foco das ovelhas no prédio. Toda minha pregação, minhas conversas, tudo, tudo mesmo girava em torno das coisas e nunca das pessoas.
Quando vi que nosso crescimento estava emperrado naquela localidade decidi mudar de bairro. Comecei a procurar outro prédio.
O que aconteceu? Perdi todas as ovelhas, pois embora minha intenção fosse ampliar nossa capacidade de alcançar mais almas para Jesus, não consegui convencer as minhas ovelhas a irem comigo.
Eu fui o culpado, pois não coloquei a prioridade nas ovelhas, mas no prédio.
Meu erro foi não focar em gente.
Certa vez Richard Cecil disse que "amar a pregação é uma coisa - amar as pessoas a quem pregamos é outra".
É isso! Amar as pessoas. Dedicar-se a elas. Cuidar delas e por o foco nelas.
Vejo muitos líderes ministrarem oferta colocando o foco nas coisas e se esquecendo de mostrar os benefícios daqueles que são fiéis nos dízimos e ofertas. Meu foco quando oferto não é "ajudar" a Obra de Deus, mas sim obedecer a Deus e semear para minha própria vida.
O prédio é importante, mas as pessoas são bem mais.
Não conheço pregação melhor do que a que fazemos visitando as ovelhas, indo ao hospital acompanhá-las, consolando-as num velório de parentes, alegrando-nos numa festa delas.
As pessoas estão mudando e observo que a febre das mega-igrejas está passando.
As ovelhas estão procurando pastores que se importam com elas.
É como diz o presidente da Serasa: "é gente que faz a Serasa andar".
Quando temos gente feliz e satisfeita ao nosso lado certamente isso irá se multiplicar e se espalhar pela vizinhança, pois as pessoas que convivem com nossas ovelhas vão querer saber onde está o pastor que se importa com elas e a igreja onde elas estão encontrando a felicidade.
Ponha seu foco nas pessoas.
Você já sabe o que fazer.
Pense nisso e seja feliz.

Postagens mais visitadas deste blog

Casais evangélicos traem mais que os do mundo!

Diante das mais recentes pesquisas científicas realizadas no meio evangélico, surge o alerta para começarmos a tratar os casamentos de uma forma mais cuidadosa e responsável. A infidelidade matrimonial entre evangélicos é maior que as dos não evangélicos! Segundo o BEPEC – Bureau de Pesquisa e Estatística Cristã - em parceria tecnológicacom aAKNA(www.akna.com.br,) fornecedora de uma das melhores plataformas de pesquisa online do mundo, 11,26% das mulheres evangélicas pesquisadas já traíram seus cônjuges. Na faixa dos homens, 24,68% traíram suas esposas. O Ministério da Saúde apresentou em 2009 a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. 8mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos foram feitas e a pesquisa apurou que 21% dos homens em relações estáveis vivendo com conjugue mantém relações sexuais esporádicas ou contínuas com outros parceiros. 11% das mulheres, na mesma situação! Precisamos acordar para essa realidade infeliz e dar um &…

A vida de extravagâncias da irmã Dulce

Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. Este era o nome de batismo da Irmã Dulce.
Transformou sua casa em centro de atendimento a necessitados.
Foi ordenada freira e recebeu o nome de Dulce em homenagem a sua mãe. Mesmo tendo como missão primeira o exercício de ensinar como professora em Salvador - BA, irmã Dulce trilhou o caminho do amor e da solidariedade dando assistência às comunidades carentes, preconizando assim suas atividades principais em suas obras sociais. Em 1936, ela fundou a União Operária São Francisco. Chegou a invadir cinco casas na Ilha dos Ratos para abrigar pessoas doentes, recolhidas nas ruas. Naturalmente, como era de se esperar, irmã Dulce foi expulsa com seus flagelados e deu início a uma peregrinação de 10 anos, ocupando temporariamente diversos lugares até que com muito trabalho e perseverança, conseguiu transformar um galinheiro do Convento de Santo Antônio em albergue, que mais tarde passou a ser o Hospital de Santo Antônio, um centro de atendimento social e e…

COMPRE AQUI O LIVRO O Próximo Passo.