Pular para o conteúdo principal

Pastores em Perigo!


Lc 15:4 Qual, dentre vós, é o homem que, possuindo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la?
5 Achando-a, põe-na sobre os ombros, cheio de júbilo.
6 E, indo para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida.

Qual o pastor que não sonha com o crescimento do seu rebanho?
Quem no ministério pastoral não ora e deseja ver Deus salvando almas e confiando-as ao seu pastoreio?
Quantos líderes não têm dado a vida e o 'sangue' para ver a igreja prosperar e crescer em número de membros?
Como é bom ver Deus trazendo crescimento à igreja!
Eu também sonho com todas essas coisas. Eu quero isso pra mim e pro meu ministério.
Acontece, que às vezes o preço que muitos dos meus colegas pagam é pesado demais, é alto demais, não valendo a pena ser pago por nenhum de nós.
A passagem acima registra em suas entrelinhas fatos que preocupam e acendem a luz de alerta, para que agente não caia nessa cilada armada pelo afã de vermos crescer a igreja tendo como custo o bem mais precioso que temos.
Refiro-me a possibilidade de passarmos por apuros na relação com nossos familiares e perdermos o amor e afeto daqueles que pagam talvez o maior preço do ministério. Penso nas ovelhas esposa e filhos.
Repare que o pastor descrito em Lucas perdeu uma ovelha! Ao descobrir que faltava uma, ele deixa as noventa e nove no deserto (isso mesmo, no DESERTO) e sai à busca da sua ovelha mais querida e preciosa.
Parece que não nos damos conta da importância dos nossos familiares até perdê-los.
Quantos não são os que já não conseguem ter a mesma relação de amor, cumplicidade e amizade com a esposa e filhos por causa da carga e do peso da 'obra de Deus'?
Quantos não perderam a centésima ovelha que já não está mais no meio do rebanho?
Muitos chegam a passar a noite em seus gabinetes estudando, dormindo ou fazendo retiros, e com isso deixando seus familiares expostos em casa enquanto ele mesmo se expõe e coloca também sua vida, ministério e reputação nas mãos do inimigo.
Nenhuma igreja vale mais do que nossa família!
Nenhum ministério ou chamado deve competir com o casamento.
Quantos já naufragaram suas famílias e casamentos por causa do esquecimento daquilo que é mais importante?
Sejamos sinceros: Vale à pena perder o casamento e o amor dos filhos por causa de alguma igreja?
Não vale, e creio que Deus não deseja isso pra nenhum dos seus escolhidos.
O pastor de Lucas 15, ao achar a ovelha perdida a pega nos braços, cura suas feridas, a põe nos ombros e a leva pra casa. Isso mesmo! Pra casa.
Aquela ovelha era da sua família.
Deus não quer nenhum pastor workaholic deixando sua família abandonada e alimentando seu vício na igreja e no trato com as noventa e nove.
Que Deus nos livre disso querido pastor.
Estamos em perigo, mas podemos sair bem disso cuidando da centésima ovelha.
Grande beijo.
Paz e bênção.
Rogério Bitencourt
WWW.manancialdepaz.org

Postagens mais visitadas deste blog

Casais evangélicos traem mais que os do mundo!

Diante das mais recentes pesquisas científicas realizadas no meio evangélico, surge o alerta para começarmos a tratar os casamentos de uma forma mais cuidadosa e responsável. A infidelidade matrimonial entre evangélicos é maior que as dos não evangélicos! Segundo o BEPEC – Bureau de Pesquisa e Estatística Cristã - em parceria tecnológicacom aAKNA(www.akna.com.br,) fornecedora de uma das melhores plataformas de pesquisa online do mundo, 11,26% das mulheres evangélicas pesquisadas já traíram seus cônjuges. Na faixa dos homens, 24,68% traíram suas esposas. O Ministério da Saúde apresentou em 2009 a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. 8mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos foram feitas e a pesquisa apurou que 21% dos homens em relações estáveis vivendo com conjugue mantém relações sexuais esporádicas ou contínuas com outros parceiros. 11% das mulheres, na mesma situação! Precisamos acordar para essa realidade infeliz e dar um &…

A vida de extravagâncias da irmã Dulce

Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. Este era o nome de batismo da Irmã Dulce.
Transformou sua casa em centro de atendimento a necessitados.
Foi ordenada freira e recebeu o nome de Dulce em homenagem a sua mãe. Mesmo tendo como missão primeira o exercício de ensinar como professora em Salvador - BA, irmã Dulce trilhou o caminho do amor e da solidariedade dando assistência às comunidades carentes, preconizando assim suas atividades principais em suas obras sociais. Em 1936, ela fundou a União Operária São Francisco. Chegou a invadir cinco casas na Ilha dos Ratos para abrigar pessoas doentes, recolhidas nas ruas. Naturalmente, como era de se esperar, irmã Dulce foi expulsa com seus flagelados e deu início a uma peregrinação de 10 anos, ocupando temporariamente diversos lugares até que com muito trabalho e perseverança, conseguiu transformar um galinheiro do Convento de Santo Antônio em albergue, que mais tarde passou a ser o Hospital de Santo Antônio, um centro de atendimento social e e…

COMPRE AQUI O LIVRO O Próximo Passo.