Pular para o conteúdo principal

A vida de extravagâncias da irmã Dulce


Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. Este era o nome de batismo da Irmã Dulce.
Transformou sua casa em centro de atendimento a necessitados. 
Foi ordenada freira e recebeu o nome de Dulce em homenagem a sua mãe.
Mesmo tendo como missão primeira o exercício de ensinar como professora em Salvador - BA, irmã Dulce trilhou o caminho do amor e da solidariedade dando assistência às comunidades carentes, preconizando assim suas atividades principais em suas obras sociais.
Em 1936, ela fundou a União Operária São Francisco.
Chegou a invadir cinco casas na Ilha dos Ratos para abrigar pessoas doentes, recolhidas nas ruas.
Naturalmente, como era de se esperar, irmã Dulce foi expulsa com seus flagelados e deu início a uma peregrinação de 10 anos, ocupando temporariamente diversos lugares até que com muito trabalho e perseverança, conseguiu transformar um galinheiro do Convento de Santo Antônio em albergue, que mais tarde passou a ser o Hospital de Santo Antônio, um centro de atendimento social e educacional que continua atendendo carentes até hoje.
Irmã Dulce morreu em 1992, mas sua obra e seu trabalho continuam ecoando até os dias de hoje, ajudando os mais necessitados do Brasil.
Agora, Irmã Dulce será beatificada. Será tratada como santa.
Santa ela já era estando viva!
Ela cumpriu o ide de Jesus e certamente receberá seu galardão.
Irmã Dulce é inspiração para mim e retumba em nossos ouvidos com sua obra e exemplo exatamente o que deveríamos ser.
Ela não se preocupava com visibilidade. Não se importava com banalidades advindas das vaidades humanas e com “pouca” força fez mais do que milhões de nós ousamos fazer até o dia de hoje.
Irmã Dulce é um grande exemplo de ser humano. 
Que cada um de nós evangélicos, pense bem antes de abrir a boca pra tecer qualquer comentário pejorativo acerca da madre que foi santa aos olhos de Deus.
O Vaticano, que dará o título de santa para querida e saudosa Dulce, o fará de forma humana e pertinente aos seus dogmas, porém, segundo a palavra de Deus que diz que devemos amar ao próximo como a nós mesmos e em conformidade com a vida exemplar dela, acredito que santa ela já era há muito tempo aos olhos do Pai.
Parabéns aos irmãos católicos que foram presenteados com um ser humano tão especial como Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, que resumidamente pode ser chamada de irmã Dulce, uma santa mulher, um anjo bom.
Que Deus continue levantando gente assim, independente do credo ou filosofia, pois Ele está à procura de verdadeiros adoradores.
Sejamos santos também e façamos o bem a quem precisa.
"Eu sou o Senhor vosso Deus; portanto vós vos consagrareis, e sereis santos, porque eu sou santo" (Levítico 11:44).
Pense nisso – seja feliz.

Postagens mais visitadas deste blog

Casais evangélicos traem mais que os do mundo!

Diante das mais recentes pesquisas científicas realizadas no meio evangélico, surge o alerta para começarmos a tratar os casamentos de uma forma mais cuidadosa e responsável. A infidelidade matrimonial entre evangélicos é maior que as dos não evangélicos! Segundo o BEPEC – Bureau de Pesquisa e Estatística Cristã - em parceria tecnológicacom aAKNA(www.akna.com.br,) fornecedora de uma das melhores plataformas de pesquisa online do mundo, 11,26% das mulheres evangélicas pesquisadas já traíram seus cônjuges. Na faixa dos homens, 24,68% traíram suas esposas. O Ministério da Saúde apresentou em 2009 a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. 8mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos foram feitas e a pesquisa apurou que 21% dos homens em relações estáveis vivendo com conjugue mantém relações sexuais esporádicas ou contínuas com outros parceiros. 11% das mulheres, na mesma situação! Precisamos acordar para essa realidade infeliz e dar um &…

COMPRE AQUI O LIVRO O Próximo Passo.

O que você faria se sua esposa ao oitavo mês de gravidez perdesse a visão, ficasse entre a vida e a morte, e como consequência dessa tragédia vocês perdessem tudo e fossem morar nos fundos de um depósito de lixo sem ter ninguém pra lhe estender a mão?
E se depois de passarem por tudo isso uma nova enfermidade aparecesse e levasse aquela que já estava cega havia vinte e oito anos?
Rogério Bitencourt passou por tudo isso e conseguiu vencer e reconstruir sua vida. Veja como a arte da resiliência pode fazer a grande diferença em sua vida. Uma grande história que vai emocionar a cada leitor e trazer grandes ensinamentos  sobre a vida, sobre a morte, sobre Deus e sobre as frustrações vividas por todos os mortais.
Aproveite ao máximo essa obra e prepare-se para se emocionar e rever todos os seus conceitos sobre a vida. A sua vida...

Faça com o Coração e o Mundo se Renderá!