Pular para o conteúdo principal

Você não vale nada, mas eu gosto de você!


Os gregos sempre tiveram a mente muito fértil.

Eles gostavam de passar horas pensando, pensando, pensando...

Muita coisa que eles imaginavam era pura viagem, mas algumas coisas podem ser aplicadas de forma não literal na nossa vida e ministério.

Eis aí uma delas:

Na mitologia deles, conta-se que um rei chamado Pigmaleão estava esculpindo a imagem de uma linda mulher e sem perceber se apaixonou pela “boneca de marfim”.

Para ajudá-lo, Afrodite que era a deusa do amor, atirou uma flecha no coração da estátua e esta ganhou vida.

É sem dúvida alguma uma tremenda imaginação, porém podemos aprender muito com esta estória.

Existe a conhecida Teoria de Pigmaleão que afirma o seguinte: “as pessoas se transformarão na imagem que lhes for atribuída”.

Quando estamos lidando com pessoas, sejam elas familiares, ovelhas, funcionários ou quem quer que seja, precisamos de cautela com o que falamos aos seus ouvidos.

Assim como o alimento faz bem ou mal ao corpo, as palavras fazem bem ou mal a mente de quem às ouve.

Meu filho mais novo foi criado ouvindo palavras de incentivo e aprovação.

Mesmo convivendo em meio a muitas dificuldades, passando necessidades por um tempo, tendo uma mãe deficiente visual e não podendo usar um tênis ou uma roupa novos por falta de grana, mesmo assim ele cresceu com uma mente sã pelas palavras de aprovação que ouvia de nós.

Hoje, completando maior idade e entregando um dízimo que é maior do que o salário de muitos que eu conheço, ele é um rapaz muito bem resolvido e emocionalmente saudável.

A teoria de Pigmaleão funcionou na vida dele!

Pode perceber, quanto mais “batemos” nas ovelhas em nossas homilias acaloradas e desprovidas de equilíbrio e bom senso, mais pioramos a situação da igreja.

Jesus era especialista em levantar as pessoas e atribuir-lhes algo de positivo.

Quando Felipe falou de Jesus para Natanael, recebeu uma resposta meio sarcástica a respeito do Messias: “Pode vir alguma coisa boa de Nazaré?”.

Se fôssemos nós a ouvir isso, certamente nos ressentiríamos, ficaríamos magoados e deixaríamos aquele... pra lá. Mas o que fez o Mestre? Ele respondeu usando o princípio de Pigmaleão: “Eis aqui um verdadeiro israelita, em quem não há dolo”.

Esse tipo de comportamento pode fazer toda a diferença nos nossos relacionamentos, sejam eles quais forem.

Deixe dessa coisa de “você não vale nada, mas eu gosto de você”.

Todo mundo vale alguma coisa.

Você já sabe o que fazer.

Pense nisso e seja feliz.

Lembre-se: Família. Você precisa cuidar da sua!

Postagens mais visitadas deste blog

Casais evangélicos traem mais que os do mundo!

Diante das mais recentes pesquisas científicas realizadas no meio evangélico, surge o alerta para começarmos a tratar os casamentos de uma forma mais cuidadosa e responsável. A infidelidade matrimonial entre evangélicos é maior que as dos não evangélicos! Segundo o BEPEC – Bureau de Pesquisa e Estatística Cristã - em parceria tecnológicacom aAKNA(www.akna.com.br,) fornecedora de uma das melhores plataformas de pesquisa online do mundo, 11,26% das mulheres evangélicas pesquisadas já traíram seus cônjuges. Na faixa dos homens, 24,68% traíram suas esposas. O Ministério da Saúde apresentou em 2009 a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. 8mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos foram feitas e a pesquisa apurou que 21% dos homens em relações estáveis vivendo com conjugue mantém relações sexuais esporádicas ou contínuas com outros parceiros. 11% das mulheres, na mesma situação! Precisamos acordar para essa realidade infeliz e dar um &…

A vida de extravagâncias da irmã Dulce

Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. Este era o nome de batismo da Irmã Dulce.
Transformou sua casa em centro de atendimento a necessitados.
Foi ordenada freira e recebeu o nome de Dulce em homenagem a sua mãe. Mesmo tendo como missão primeira o exercício de ensinar como professora em Salvador - BA, irmã Dulce trilhou o caminho do amor e da solidariedade dando assistência às comunidades carentes, preconizando assim suas atividades principais em suas obras sociais. Em 1936, ela fundou a União Operária São Francisco. Chegou a invadir cinco casas na Ilha dos Ratos para abrigar pessoas doentes, recolhidas nas ruas. Naturalmente, como era de se esperar, irmã Dulce foi expulsa com seus flagelados e deu início a uma peregrinação de 10 anos, ocupando temporariamente diversos lugares até que com muito trabalho e perseverança, conseguiu transformar um galinheiro do Convento de Santo Antônio em albergue, que mais tarde passou a ser o Hospital de Santo Antônio, um centro de atendimento social e e…

COMPRE AQUI O LIVRO O Próximo Passo.