Casais evangélicos traem mais que os do mundo!




Diante das mais recentes pesquisas científicas realizadas no meio evangélico, surge o alerta para começarmos a tratar os casamentos de uma forma mais cuidadosa e responsável.
A infidelidade matrimonial entre evangélicos é maior que as dos não evangélicos!
Segundo o BEPEC – Bureau de Pesquisa e Estatística Cristã - em
parceria tecnológica  com a  AKNA  (www.akna.com.br,) fornecedora
de uma das melhores plataformas de pesquisa online do mundo, 11,26% das mulheres evangélicas pesquisadas já traíram seus cônjuges. Na faixa dos homens, 24,68% traíram suas esposas.
O Ministério da Saúde apresentou em 2009 a maior
pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do
brasileiro. 8  mil entrevistas com homens e
mulheres entre 15 e 64 anos foram feitas e a pesquisa apurou que
21% dos homens em relações estáveis vivendo com
conjugue mantém relações sexuais esporádicas ou
contínuas com outros parceiros. 11% das mulheres, na
mesma situação!
Precisamos acordar para essa realidade infeliz e dar um "choque de ordem" nos ministérios com famílias para que as ações e os recursos sejam mais eficientes e direcionados para as questões que realmente importam.
Não dá para aceitarmos isso em nosso meio.
Estamos sendo reprovados naquilo que tanto condenamos: O adultério.
Precisamos transformar casados em namorados para sempre.
Nossos ministérios com família precisam rasgar o véu da sensibilidade exacerbada e falar o que tem que ser falado, sem meias palavras ou pudor excessivo.
O assunto sexo no casamento cristão não pode mais ser exposto com suas maquiagens ridículas e mentirosas.
É preciso discutir mais abertamente o que rola e o que não rola na cama dos crentes.
É preciso também falar dos anseios e frustrações dos casados do Reino.
Educação sexual desprovida de dogmas e palpites equivocados é raridade no meio evangélico.
Minha vida sexual no meu casamento com Sandra Bitencourt é acima da média em comparação a maioria dos casais que temos notícias.!
Cuidamos um do outro e nos esforçamos para que a relação seja a dois e seja boa para ambos.
Conversamos abertamente sobre nossa cama e discutimos tudo.
Se fôssemos permitir que alguns conselhos infelizes que nos deram no passado entrasse debaixo dos nossos lençóis, já teríamos entrado nas estatísticas do BEPEC.
Estou na frente de batalha para reverter a triste situação de parte dos casais evangélicos.
Deus quer mudanças e eu estou na brecha!
Pense nisso.
Rogério Bitencourt
Pastor do lado de cá.

Postagens mais visitadas deste blog

O FIM DO CASAMENTO HÉTERO.

A vida de extravagâncias da irmã Dulce