Pular para o conteúdo principal

Até quando você vai se esconder da verdade?


Passei a semana inteira pensando em como somos despreparados e por vezes arrogantes ao lidarmos com as críticas feitas a nós.
É certo que nem sempre recebemos críticas que fazem muito mal a nossa estima, porém, observo que muitas vezes perdemos a oportunidade de crescimento, arrependimento e aprendizado advindos de um conselho em forma de crítica.
Há muito tempo eu ouvi uma palestra em que o preletor falava sobre questões de comportamento diante de críticas.
Para ele, alguns critérios precisam ser observados ao recebermos críticas.
Em primeiro lugar é preciso saber se o meu crítico me ama ou tem alguma afinidade comigo. Depois, se ele está bem intencionado. Em seguida, se ele sabe do que está falando realmente, ou está conjecturando sem nenhuma informação concreta.
Por último, devemos refletir profundamente sobre o que ouvimos como crítica.
A Bíblia diz que multidão de conselhos reserva sabedoria. 
Para o doutor ANTONIO CARLOS ALVES DE ARAÚJO, "este é um assunto da máxima importância não apenas pelo lado psíquico, mas também pelas relações sociais que o tema envolve. É quase um total consenso à dificuldade absoluta de qualquer pessoa tolerar ou aceitar uma determinada crítica. A mesma é vista como um ataque direto a tudo aquilo que a pessoa adquiriu por um longo tempo e com uma dose muito grande de sacrifício e renúncia. O sujeito se sente desnudado, essa é a palavra precisa que define a questão. Muitos se esquecem que tudo o que fizeram na maioria das vezes estavam desacompanhados, sendo iminente mais cedo ou tarde o crivo do outro. A crítica pode tanto reforçar a fé própria do sujeito em seu potencial, como exacerbar uma convicção irreal ou totalitária, ou tirar completamente a auto-estima. Esta é sem dúvida a dicotomia máxima no assunto". 
Observe melhor seu comportamento e aproveite ao máximo as críticas que recebe. Aja com sabedoria e cresça com conselhos em forma de crítica e com palavras mal intencionadas disfarçadas de piedade e preocupação com você.
É como dizia Eleonor Rosevelt "ninguém pode te fazer infeliz sem a tua permissão.
Pense nisso - seja feliz.
Com carinho,
Rogério Bitencourt
manancialdepaz@hotmail.com
Twitter@manancialdepaz

Postagens mais visitadas deste blog

Casais evangélicos traem mais que os do mundo!

Diante das mais recentes pesquisas científicas realizadas no meio evangélico, surge o alerta para começarmos a tratar os casamentos de uma forma mais cuidadosa e responsável. A infidelidade matrimonial entre evangélicos é maior que as dos não evangélicos! Segundo o BEPEC – Bureau de Pesquisa e Estatística Cristã - em parceria tecnológicacom aAKNA(www.akna.com.br,) fornecedora de uma das melhores plataformas de pesquisa online do mundo, 11,26% das mulheres evangélicas pesquisadas já traíram seus cônjuges. Na faixa dos homens, 24,68% traíram suas esposas. O Ministério da Saúde apresentou em 2009 a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. 8mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos foram feitas e a pesquisa apurou que 21% dos homens em relações estáveis vivendo com conjugue mantém relações sexuais esporádicas ou contínuas com outros parceiros. 11% das mulheres, na mesma situação! Precisamos acordar para essa realidade infeliz e dar um &…

A vida de extravagâncias da irmã Dulce

Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. Este era o nome de batismo da Irmã Dulce.
Transformou sua casa em centro de atendimento a necessitados.
Foi ordenada freira e recebeu o nome de Dulce em homenagem a sua mãe. Mesmo tendo como missão primeira o exercício de ensinar como professora em Salvador - BA, irmã Dulce trilhou o caminho do amor e da solidariedade dando assistência às comunidades carentes, preconizando assim suas atividades principais em suas obras sociais. Em 1936, ela fundou a União Operária São Francisco. Chegou a invadir cinco casas na Ilha dos Ratos para abrigar pessoas doentes, recolhidas nas ruas. Naturalmente, como era de se esperar, irmã Dulce foi expulsa com seus flagelados e deu início a uma peregrinação de 10 anos, ocupando temporariamente diversos lugares até que com muito trabalho e perseverança, conseguiu transformar um galinheiro do Convento de Santo Antônio em albergue, que mais tarde passou a ser o Hospital de Santo Antônio, um centro de atendimento social e e…

COMPRE AQUI O LIVRO O Próximo Passo.