Pular para o conteúdo principal

Aprender a cair.



"Aprender a se desequilibrar... aprender a cair" Natália (cega e estudante de jornalismo) #comosera
Você consegue perceber a profundidade do que a Natália disse?
Ela falou de derrota! O que? Derrota? Fracasso? "Tá amarrado varoa!" Só que não!
Hoje, no Programa É de Casa, o quadro Como Será teve a apresentação de duas deficientes. Uma cadeirante e outra cega. A convite da produção elas substituíram o Alexandre na matéria.
Foi demais! Elas fizeram o quadro com muita leveza e desenvoltura.
Apesar de todo o quadro ter sido muito legal, a última frase da Natália me fez parar pra pensar.
Aprender a lidar com o infortúnio do desequilíbrio, sofrer riscos dos sentimentos menores, ser motivo de comentários preconceituosos, sentir dor, vergonha ou medo, ao contrário do que pensamos, é uma oportunidade extraordinária para o crescimento. Eu diria até para LIBERTAÇÃO!
O próprio Deus afirma que "o cair é do homem", mas parece que isso não tem se aplicado mais nas pregações. A vitória e o estigma do "super crente" tendem a desumanizar humanos. Cruz credo!
Será que nos esquecemos que se aprende muito mais com os erros do que com a negação deles?
Aprender a cair nos faz machucar menos e nos dá condições de levantar mais rápido.
Muitos se contentam com o pouco, com o ruim, com o medíocre, só para não correr riscos.
Quanta gente não é feliz no amor por causa do medo?
Vejo gente se escravizando em um emprego simplesmente por causa do medo de não ter a segurança do salário e dos benefícios que na verdade entorpece e tira qualquer possibilidade de ser aquilo que Deus nos deu para vencer e ser mais.
Conheço gente que nunca fez vestibular ou Enem por puro medo de falhar.
Se prestar atenção, você verá na Bíblia exemplos de milagres que só aconteceram porque alguém aceitou a iminência do risco e o preço do fracasso.
Quando leio que Moisés teve que encarar Faraó e desafiá-lo sem nenhuma arma, senão a fé! Quando Deus o coloca entre o exército de Faraó e o mar, sem saída, sem chance, sem recursos humanos, isso é aprender a se desequilibrar! E na hora em que Deus manda Moisés por os pés na água? Caraca! O que não deve ter passado na cabeça de Moisés?
Outro exemplo, dentre muitos, é o em que Pedro pede para andar sobre as águas igualmente a Jesus.
Que experiência! Que coragem!
O cara estava na segurança do barco junto dos seus pares. Ele não precisava daquilo!
Não precisava? É claro que precisava!
Ele aceitou os riscos do desequilíbrio e da queda em forma de submergir. Ele encarou o impossível, a gravidade, as ondas e os ventos.
O medo de errar foi vencido!
A fama que acompanha Pedro até hoje acaba por explicar o porque muito não arriscam crescer.
Não são poucos os que em suas pregações dizem que Pedro afundou! Se você procurar na Bíblia, verá que texto narra que Pedro não submergiu.
É isso. Vencer o medo de se desequilibrar e o medo de cair é o primeiro passo da vitória, ou do aprendizado.
Que você aprenda hoje este princípio fantástico que eu aprendi com a Natália.
Pense nisso.
Lembre-se: Familia. Você precisa cuidar da sua!
Rogério Bitencourt
Pastor do lado e cá.
Gostou? Compartilha aí!
www.manancialdepaz.org

Postagens mais visitadas deste blog

Casais evangélicos traem mais que os do mundo!

Diante das mais recentes pesquisas científicas realizadas no meio evangélico, surge o alerta para começarmos a tratar os casamentos de uma forma mais cuidadosa e responsável. A infidelidade matrimonial entre evangélicos é maior que as dos não evangélicos! Segundo o BEPEC – Bureau de Pesquisa e Estatística Cristã - em parceria tecnológicacom aAKNA(www.akna.com.br,) fornecedora de uma das melhores plataformas de pesquisa online do mundo, 11,26% das mulheres evangélicas pesquisadas já traíram seus cônjuges. Na faixa dos homens, 24,68% traíram suas esposas. O Ministério da Saúde apresentou em 2009 a maior pesquisa já realizada sobre comportamento sexual do brasileiro. 8mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos foram feitas e a pesquisa apurou que 21% dos homens em relações estáveis vivendo com conjugue mantém relações sexuais esporádicas ou contínuas com outros parceiros. 11% das mulheres, na mesma situação! Precisamos acordar para essa realidade infeliz e dar um &…

A vida de extravagâncias da irmã Dulce

Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. Este era o nome de batismo da Irmã Dulce.
Transformou sua casa em centro de atendimento a necessitados.
Foi ordenada freira e recebeu o nome de Dulce em homenagem a sua mãe. Mesmo tendo como missão primeira o exercício de ensinar como professora em Salvador - BA, irmã Dulce trilhou o caminho do amor e da solidariedade dando assistência às comunidades carentes, preconizando assim suas atividades principais em suas obras sociais. Em 1936, ela fundou a União Operária São Francisco. Chegou a invadir cinco casas na Ilha dos Ratos para abrigar pessoas doentes, recolhidas nas ruas. Naturalmente, como era de se esperar, irmã Dulce foi expulsa com seus flagelados e deu início a uma peregrinação de 10 anos, ocupando temporariamente diversos lugares até que com muito trabalho e perseverança, conseguiu transformar um galinheiro do Convento de Santo Antônio em albergue, que mais tarde passou a ser o Hospital de Santo Antônio, um centro de atendimento social e e…

COMPRE AQUI O LIVRO O Próximo Passo.